sexta-feira, 24 de julho de 2015

National Geographic (4)



A mecânica quântica é a teoria que se aplica a todos os fenómenos atómicos e nucleares. É um dos pilares da física contemporânea. Max Plank já não participou na elaboração da mecânica quântica, que foi obra de físicos mais jovens como Heisenberg, Schrödinger, Dirac, Born, Jordan ou Pauli. No entanto todos reconheceram nele o seu fundador, o homem que tinha encontrado a primeira pista para a compreensão profunda  da natureza atómica da matéria. De certa forma, ele foi o primeiro revolucionário e recebeu o Prémio Nobel da Física pela sua descoberta em 1918. 
[...]
Max Plank preocupou-se também com os aspetos filosóficos da ciência. Manteve a controvérsia intensa com um dos filósofos mais prestigiados do seu tempo, Ernest Mach, sobre a natureza da investigação científica. Nos seus últimos anos, escreveu ensaios sobre ciência, filosofia e religião que tiveram uma grande receção entre o o público não especializado.
A física quântica alterou a nossa conceção do mundo natural. Também deu lugar a numerosas inovações tecnológicas que moldaram a civilização atual. Porém, por cada descoberta que realizamos, surgem dezenas de novas perguntas. Max Planck sentia dentro de si essa necessidade premente de compreensão do mundo e dos seus fenómenos que leva os homens de ciência a trabalhar incansavelmente.
A busca da Verdade e do Absoluto foi um guia constante da sua vida atribulada.



A edição especial da NG - julho de 2015 - está disponível na biblioteca.


Sem comentários:

Enviar um comentário